Canção do mar


O luar imponente se propaga
deusa lua, soberana e vingativa
atrasa a maré, dela é dona,
águas quentes, abraços gelados se dão
Oh...tarde em crepuscular momento,
plúmbeas cores sobre a paisagem derramas
enquanto línguas de espumas se ferem nas rochas
na canção eterna que sufoca o mar
Ela traz areias que a praia acolhe,
marca em passos, grãos de vida, falsos monumentos,
que se apagarão efêmeros
como o sorriso nos lábios trêmulos
que dizem o último adeus
juntando beijos aos molhados prantos,
de uma saudade que já aconteceu




22/06/15



2 comentários:

  1. Lindo poema, tendo como musa nossa maior inspiração.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por tão bela inspiração. Um maravilhoso e belo fim de semana.

    ResponderExcluir