Chovendo em "fusas"

O sol se foi de repente

a chuva chegou sem convite,

bate agora no telhado

na 

única sinfonia que sabe,

tento então com ela ritmar

lá...fá...mi

lá...fá ...mi

dó...dó.

de vez em quando um Si

fora de lugar, gotejando

sem espaço,

os pingos que não sabem a música

batem mais forte na porta de aço,

ficam pausando e só entram em fusas

Capto o ritmo, que sono vai dando,

espero passar o som devagar

cochilo suave vai me tomando,

não dormirei,

preciso com a chuva cantar

lá...fá...mi...

lá...fá...mi...

dó...dó...

Si...

lá...fá...mi...

zzz...zzz...zzz...


             Neusa Marilda

Escrito quando chovia bem (27/01/09)





6 comentários:

  1. Os pingos da chuva sabem solfejar...e como!
    Lindo poema Neuza Marilda.
    Beijo e muita paz!

    ResponderExcluir
  2. Legal! Gostei muito! Achei, além de original, soberbo.

    ResponderExcluir
  3. Uma melodia da chuva sim..esse Si fora de lugar fez a desafinação , bem criativa vc. e mostrou a cantoria da chuva na real. Que se chova em si desafinado a todo momento, a falta dessa chuvinha dói. Abraço

    ResponderExcluir
  4. ¡Hola, Neusa!!!

    Que canto más lindo a choiva eh, mira que te inspiró la preciosa y a veces precisa lluvia.
    Mira que buena es qué en ella encontraste las musas y ninfas.
    Eso es creatividad y lo de más son cuentos.
    Me ha encantado y ha sido un placer pasar por tu casa virtual.
    Te dejo mi felicitación y mi estima.
    Un abrazo y feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Neusa! Trago-te meu abraço e os votos de um resto de semana esplendoroso...

    ResponderExcluir
  6. Andas meio parada, Neusa; dê notícias...

    ResponderExcluir